O que é esse blog?

Desde de 2004 (mais ou menos), esse pequeno cercado virtual reuniu coisas diversas: material de aulas, reflexões do cotidiano, arremedo de crônicas, desabafos, impressões.
Desde então o autor mudou muito. A frequência aqui é intermitente, conforme as coisas demandam a minha atenção. Achegue-se e troque ideias.. ou não, e apenas leia. Seja bem vindo...

julho 06, 2020

Poder e desejo feito em pedra e emoções


Estamos numa época pouco auspiciosa para as estátuas, bustos e outros monumentos celebrativos. Mas antes de colocar simplesmente se derrubar estátua é correto ou não, deveriamos questionar um ponto interessante: As estátuas lembram algo, então, quem define o que vai ser lembrado?
Essa é uma questão que parece que está passando ao largo de muitos dos "revoltosos" que fazem todo um movimento, justo, de derrubada de "símbolos do mal que foi provocado" pela sociedade. As estátuas, assim como outros elementos na paisagem urbana como nome de ruas e mobiliario público, por exemplo, são elementos que remetem ao poder e que mostram a visão de mundo de um grupo que está no poder. Não vemos, geralmente, a visão de mundo de outros grupos se materializando dessa forma no espaço público. Grupos "alijados do poder" e que não são geralmene ouvidos pela "administração" - e muitas vezes por parte da sociedade civil - se materializam na cidade por outros caminhos, em outros meios, mas não com estátuas. Logo, a estátua por vezes é símbolo de alguém ou de um grupo que ignora e subjuga outro grupo, que quer se fazer dominante e não aceita contestação (com muita tranquilidade).

julho 03, 2020

O tempo é um dos mestres do mundo...

Não iria escrever nada hoje, mas depois de todo o banzé com o ministro da educação e o zelo que as pessoas mostraram pelo currículo Lattes (não posso afirmar, mas algo me diz que a tez do agora ex-ministro tb teve seu papel no horror diante da falsificação acadêmica), me chama muita a atenção que  pessoa do novo possível ministro - elogiado pela associação de universidades particulares - já tenha estado presente nas minhas reflexões... sem saber, escrevi sobre ele e seu "grupo" aqui https://historicocontador.blogspot.com/2017/02/intencoes-e-tentacoes.html. 'Bora rever?

junho 27, 2020

Quatro dicas para combater a procrastinação

O pessoal do Grupo A traz um post bem legal. É de se pensar sobre o tema, certo, ou vai????
http://www.grupoa.com.br/blogA/post/2011/12/01/Quatro-dicas-para-combater-a-procrastinacao.aspx
Se você é daqueles que insiste em deixar tudo para o dia seguinte, não se culpe (tanto): 75% dos alunos de graduação confessam-se procrastinadores. Final de ano, então, nem se fala: são milhares de artigos a entregar, emails pendentes no trabalho, presentes de Natal sequer imaginados... difícil não ficar com a cabeça nas nuvens!
De acordo com a pesquisa organizada pelo professor de psicologia Piers Steel, são quatro os motivos principais que nos levam a jogar os afazeres debaixo do tapete: atividades entediantes; personalidade do procrastinador; grau de dificuldade da tarefa; falta de objetivos. Para manter o foco e começar 2012 com o pé direito, portanto, sugerimos as seguintes estratégias:
1. Desafie-se. Se a tarefa é chata, estabeleça limites de tempo para motivá-lo a terminá-la.
2. Faça como Skinner. Quando terminar algo no prazo, presenteie-se com um chocolate, uma volta na quadra, uma saída para beber com os amigos. Se atrasar algum trabalho, fique sem jogar videogame, passe mais uma hora estudando ou lave toda a louça do almoço. (Reforços positivos e negativos: se os hamsters conseguem, você também pode! :-D)
3. Escolha o ambiente certo. Se você um procrastinador nato – daqueles sem autocontrole, distraídos e impulsivos –, manter-se na linha é muito mais complicado. Assim, quando estiver terminando suas tarefas, limpe sua mesa de tudo o que possa tirar a sua atenção. Desligue a TV, saia do Twitter e do Facebook, e coloque o celular no silencioso.
4. Trace metas. Se o projeto no qual você está trabalhando é grande, estabeleça pequenos marcos de conclusão. Para tudo o que você for fazer, crie objetivos claros e definidos.
Então, será que funciona? Que tal tentar e depois contar pelo comentários por aqui mesmo? Visite também https://www.publish0x.com/contadordehistorias/quatro-dicas-para-combater-a-procrastinacao-xxpgpw e dê uma força por lá..

Visite também

outubro 29, 2019

Ditadura subterrânea

Toda vez que estudamos uma ditadura, qualquer uma, costumamos ver tudo como uma forma articulada. Algo como um roteiro cinematográfico que tem um momento, de ápice talvez, quando as tropas vão para a rua, o presidente é deposto e é feita a leitura de um manifesto onde se diz o que o "novo governo" está "defendendo o país" de algum mal terrível. E enquanto isso não acontece, não se utiliza o termo "ditadura", pois "ainda existe liberdade".
Mesmo quando temos alguma noção das tramas (que normalmente são no campo político) que levam à tomada das ruas pelas tropas, as conexões usualmente são muito próximas e cabais: um conjunto de pensamentos e atitudes do governo "na corda bamba", alguns indivíduos "voluntariosos" que começam a se mover e por fim a mobilização de certos setores - nacionais e estrangeiros - que desejam derrubar o "inimigo do povo" (nas palavras deles) e alçar ao poder alguém mais "competente" (leia-se: afeito aos nossos interesses).

outubro 21, 2019

Lugar do anti-intelectualismo?

Desde os anos 1960 estamos mudando o modo de entender a sociedade. O "encolhimento do mundo", o questionamento das macronarrativas hegemônicas e o fortalecimento da difusão e expansão da comunicação e do conhecimento possibilitou ao mundo acadêmico (e de alguma forma também a sociedade que se encontra além muros da universidade) a ampliação do numero de vozes e de lugares que se faziam representar e ouvir.